sexta-feira, 31 de julho de 2020

Livro Digital reúne atividades                  de integração curricular


Ao longo do corrente ano letivo, a figura incontornável de Fernão de Magalhães e o V centenário da viagem de circum-navegação estiveram no centro de um conjunto de atividades de integração curricular que mobilizaram várias turmas do 2.º ciclo.

Liderado pela professora Lucília Oliveira, o projeto foi desenvolvido em articulação com Oferta Complementar, Cidadania e Desenvolvimento, Autonomia e Flexibilidade Curricular, Plano Nacional das Artes e Biblioteca Escolar.

Tratou-se de uma trabalho abrangente e mobilizador que, partindo da viagem e da figura do seu mentor e capitão-general, cujas origens radicam em Ponte da Barca, trabalhou a vida, a obra e o legado civilizacional do navegador Fernão de Magalhães, a diversidade cultural e o encontro de culturas, o ambiente e os 17 Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS) que fazem parte da Agenda 2030 da ONU e ainda questões relacionadas com a pandemia e a saúde pública.

O resultado final desta dinâmica de trabalho colaborativo e integrado é este livro digital que, de uma forma interativa, reúne as múltiplas atividades levadas a cabo.

Veja aqui o livro…   

Biblioteca Escolar


sábado, 27 de junho de 2020

Sarau de Poesia 
a encerrar as atividades letivas
Um Sarau de Poesia, através da aplicação “classroom” do “Google”, marcou a conclusão das atividades letivas no Agrupamento de Escolas de Ponte da Barca.
O Sarau aconteceu na noite de sexta-feira e reuniu, à distância, um grupo de professores e alunos de vários níveis de ensino, acompanhados das respetivas famílias, que deram voz à Palavra feita ritmo, reflexão, magia, e disseram / sentiram a riqueza e a beleza da Arte, feita Poesia.
Promovida pela Biblioteca Escolar, a atividade constituiu um momento com especial significado, tanto mais que a situação de pandemia que estamos a viver torna ainda mais premente a necessidade da presença e da partilha de sentimentos e de emoções.
Esta mesma ideia foi sublinhada pelo Diretor do Agrupamento, professor Carlos Louro, que realçou ainda as marcas que este ano atípico vai deixar na comunidade escolar, concluindo com votos de boas férias.
Biblioteca Escolar
Alunos do 3.º ano publicam 
livros digitais
Cada uma das turmas do 3.º ano das Escolas Básicas Diogo Bernardes e de Crasto acaba de publicar um livro digital, produzido e editado sob a orientação da respetiva docente titular.
“Retalhos de mim” (3.º A, professora Idalina Gândara), “Amigos improváveis…” (3.º B, professora Cristina Pires) e “Pedaços de mim” (3.º C, professora Sofia Costa) são os títulos dos livros publicados pelas três turmas da EB Diogo Bernardes, enquanto a turma da EB de Crasto (professora Rosa Cerqueira) editou “O melhor de mim”.
Este foi um projeto que mobilizou professoras, alunos e famílias, durante o período de confinamento e de ensino à distância.
Nas palavras do professor Carlos Louro, Diretor do Agrupamento de Escolas, que assina o Prefácio, estas obras traduzem “o trabalho, o comprometimento e a vontade de concretizar aprendizagens e desenvolver a autonomia no 3.º ano de escolaridade”.
Fica, por isso, o desafio de folhear os livros, de visitar as diversas estórias, memórias, retratos, ilustrações, de entrar na aventura….




Boas leituras!
Biblioteca Escolar


sexta-feira, 26 de junho de 2020


Nem tudo foi perfeito, mas todos deram o seu melhor!
Carta aberta às Famílias, 
à Escola, aos Alunos!
                                                   
Meus Caros!
Terminam hoje as atividades letivas do ano mais estranho e surpreendente das nossas vidas.
Sem que ninguém o pudesse imaginar, março trouxe-nos uma situação nunca vista e a declaração da pandemia remeteu-nos para o confinamento das nossas casas, num isolamento social que só conhecíamos no mundo da ficção literária e cinematográfica.
Foi – está a ser – um desafio duro, uma vivência marcante, que ficará guardada no livro íntimo das nossas memórias mais impressivas.
É justo uma aplauso a vós, Famílias, pelo notável trabalho levado a cabo. Foram vocês que, no recato dos lares, souberam ser o apoio omnipresente e incansável dos mais novos. Trabalhando com eles, explorando plataformas digitais com eles, aprendendo, sentindo, crescendo com eles.
Nestes tempos de pandemia, estou em crer que reforçaram laços, partilharam emoções dia e noite, fizeram escola na plenitude da riqueza etimológica do termo grego, isto é, descansaram, exploraram o poder criador do tempo livre e do ócio, estudaram e aprenderam, cresceram, descobriram novas dimensões da vida que também são importantes, porventura as mais importantes.
É justo também um aplauso às crianças, adolescentes e jovens estudantes. Para sempre, ficará esta memória marcante que vos acompanhará ao longo dos anos. Porque foi – está a ser – a lição das vossas vidas! Uma lição que, certamente, vos ensinou a perceber a centralidade dos afetos, a importância dos laços e das relações, a fragilidade da existência, a necessidade de colocar em primeiro lugar apenas aquilo que é primordial.
É justo também um aplauso à Escola – professores e assistentes operacionais. Reinventaram-se de um dia para o outro, descobriram novos caminhos, desbravaram veredas desconhecidas, tudo fizeram para esbater desigualdades, não deixando ninguém para trás. Numa palavra, encurtaram distâncias…
Por último, um aplauso às autarquias e à comunidade em geral. Porque se envolveram, deram as mãos, ajudaram a encontrar soluções.
No final desta etapa memorável das nossas vidas, presto aqui uma especial homenagem às Famílias, aos Alunos, aos Professores e à Escola, porque se trata do triângulo insubstituível que alimenta a qualidade do futuro que desejamos, sempre mais sustentável, sempre mais solidário, sempre mais humanista.
Neste tempo de pandemia, o triângulo empenhou-se na perfeição, manteve-se em sintonia, focou-se no essencial, aprendeu a lição…
Um Bem-hajam!
Rosa Maria Arezes, Professora de Português

quinta-feira, 25 de junho de 2020

MENÇÃO HONROSA


Uma aventura no mar

                Nas últimas férias de verão, dois adolescentes estavam aborrecidos em casa e fartos de ver televisão. O João teve uma ideia e sugeriu:
– Vamos até à praia e aproveitamos para explorar as maravilhas do fundo do mar?
– Boa! – exclamou o Martim. – Estou ansioso por experimentar o meu fato de mergulho novo.
Vestiram os fatos e partiram. A certa altura, o João reparou que o Martim andava de uma forma estranha.
– Ó Martim, tu vestiste o teu fato ao contrário! Ah! Ah! Ah!
– Eh pá, nem reparei! – respondeu o Martim, todo atrapalhado, enquanto arranjava o fato.
Uns minutos mais tarde, chegaram à praia e pousaram as suas coisas. Estava um tempo fantástico. O sol brilhava intensamente e havia muita gente na areia. Mergulharam perto de uns rochedos que ficavam um pouco afastados da praia. O Martim seguia à frente, porque conhecia bem aquela zona e já tinha alguma experiência como mergulhador. O João só queria apreciar a paisagem e observava tudo com muita atenção.
De repente, sentiram uma estranha corrente marítima que os afastava para longe da costa. De mãos dadas, agarraram-se a umas rochas e entraram numa pequena gruta. Lá dentro, fizeram uma descoberta surpreendente, era um tesouro escondido. Sem hesitar, decidiram levá-lo com eles.
A muito custo, conseguiram regressar a terra, embora estivessem ainda mais afastados do local onde tinham mergulhado. Era um pequeno cais onde estavam ancorados alguns barcos de pescadores locais. Avistaram um rapazinho muito mal vestido e com um ar triste e pouco cuidado. Decidiram dar-lhe algum dinheiro e o menino agradeceu. Estavam tão entretidos que nem se aperceberam que alguém os observava de longe.
Um Ninja das Trevas que também andava à procura do tesouro descobriu-os e atacou-os com tudo o que ele sabia sobre karaté. O Martim pegou na catana do Ninja e espetou-a na terra, segurou-a com a mão e deu-lhe um super pontapé. O Ninja ficou tão furioso que lhe lançou uma bola de fogo, mas não acertou nele e pegou fogo a tudo à sua volta.
O Ninja disse com voz grossa que queria o tesouro e transformou-se em super mega Ninja. O João e o Martim aperceberam-se de que ele estava cada vez mais forte, pois deu um salto fortíssimo e o chão abriu-se.
Enquanto o Martim lutava, o João tentava arranjar uma saída. Nesse momento, começaram a aproximar-se alguns homens e o Ninja sentiu-se mais intimidado. O Martim aproveitou para lhe aplicar um golpe fatal. O Ninja sentiu-se derrotado, espetou a sua espada no chão e desapareceu com toda a sua honra.
O João e o Martim nem queriam acreditar no que lhes tinha acontecido. Decidiram atirar o tesouro de volta ao mar e nunca mais falar sobre o assunto.
Francisco Dinis Costa Pereira e Rúben Oliveira Varajão

terça-feira, 23 de junho de 2020


O livro é um tesouro que nos faz sonhar e crescer
– defende a ilustradora Susana Lima
Os alunos dos 2.º, 3.º e 4.º anos do Agrupamento de Escolas de Ponte da Barca participaram numa animada sessão com a ilustradora Susana Lima.
Tendo em conta os atuais constrangimentos resultantes da pandemia, a sessão decorreu através da plataforma digital “classroom”, tendo entusiasmado os participantes, que chegaram a ultrapassar as duas centenas.
A ilustradora conduziu uma interessante viagem pelo livro, um verdadeiro tesouro que – nas suas palavras – fica para a vida e nos faz sonhar, imaginar e crescer.
Susana Lima começou por explicar, com recurso a imagens, como nasce um livro, apresentando as várias etapas, desde a ideia inicial até à escrita, ilustração, design, impressão, chegada à livraria ou à biblioteca e, finalmente, a leitura.
Num segundo momento, partilhou com os alunos e respetivos professores a sua dinâmica criativa, nomeadamente a técnica do desenho / ilustração digital, o processo de criação de cenários e de personagens e o ambiente digital em que as realiza.
A título exemplificativo, mostrou e leu algumas passagens do livro “Pequenos Corações Verdes”, de João Manuel Ribeiro com ilustrações de Susana Lima, e, a terminar, deixou um desafio aos alunos: redação de um pequeno texto / mensagem sobre a proteção da Natureza, acompanhado de uma ilustração.
Esta foi mais uma atividade que aconteceu no âmbito da parceria existente entre o Agrupamento e as edições Opera Omnia e a sua organização esteve a cargo da Biblioteca Escolar, em articulação com o Departamento do 1.º Ciclo.
A Organização

segunda-feira, 22 de junho de 2020


Pequenos leitores aplaudem 
animação de leitura com Inácia Cruz
As salas da Educação Pré-escolar e os alunos do 1.º ano de escolaridade do Agrupamento de Escolas de Ponte da Barca participaram numa animação de leitura com a atriz Inácia Cruz.
A animação aconteceu a partir do livro "História do Rei Livro e da Princesa Palavra", de Elisa Sá Costa e ilustrações de Ana Fonseca, e realizou-se através da plataforma digital “classroom”.
Trata-se de uma história com final feliz, em que os pequenos leitores percebem a alegria da leitura e do convívio com os livros e com as suas personagens.
No atual contexto de pandemia, esta foi uma experiência nova e gratificante que aproximou as crianças, ainda que de uma forma virtual, conduzindo-as até ao mundo mágico da leitura, ao mesmo tempo que apreciavam a riqueza dos múltiplos códigos cénicos, como os adereços, a expressividade da voz, a riqueza gestual e a interação com a atriz Inácia Cruz.
Esta animação de leitura em linha aconteceu no âmbito da parceria que o Agrupamento mantém com as edições Opera Omnia e contou com a organização da Biblioteca Escolar, em parceria com os Departamentos da Educação Pré-escolar e do 1.º Ciclo.
A Organização